jusbrasil.com.br
14 de Dezembro de 2017
    Adicione tópicos

    Bonifácio de Andrada apresenta parecer contrário à segunda denúncia contra Temer - confira o inteiro teor

    Direito do Estado
    Publicado por Direito do Estado
    há 2 meses

    O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) apresentou nesta terça-feira (10), na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), parecer com a recomendação de que a Câmara não autorize a abertura de processo contra o presidente da República, Michel Temer, e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) pelos crimes de organização criminosa e obstrução da Justiça.

    O relator defendeu que a denúncia (SIP 2/27) feita pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot é "claramente duvidosa" e não cumpre os requisitos legais, principalmente por incluir fatos anteriores ao mandato de Temer.

    O deputado não poupou críticas ao Ministério Público, à Polícia Federal e à mídia, por, segundo ele, ampararem a "criminalização" da atividade política.

    Como Bonifácio de Andrada levou uma hora e quatro minutos para ler seu relatório, cada um dos advogados terá o mesmo tempo para falar sobre a denúncia.

    Já foi feito um pedido de vista, e a previsão é que a discussão do parecer seja iniciada na próxima terça-feira (17).

    Confira o inteiro teor do voto pelo link: http://www.câmara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1607727ampfilename=PRL+1+CCJC+%3D%3E+SIP+2/2017

    Fonte Imprensa - Câmara dos Deputados

    1 Comentário

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    O deputado José Bonifácio de Andada (PSDB-MG), relator da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, demonstrou possuir o cacoete da fisiologia próprio de boa parte dos políticos tupiniquins. Ao invés de demonstrar que o presidente acusado não se reuniu com Joesley Batista para tratar de assuntos pouco republicanos, preferiu atacar o Ministério Público, a Polícia Federal e até a imprensa. Afirmou que o Ministério Público exerce uma atuação "policialesca" com o apoio "do noticiário jornalístico que fortalece essas atuações espetacularizadas pelos meios de comunicação".

    Em outro trecho, chama a denúncia de “relatório de acusações que atingem homens públicos desde 2001”, como se se tratasse de grandes figuras, as quais só trabalham em prol da nação.

    Seu ancestral, o Patriarca da Independência, deve ter experimentado no céu um pouquinho da sensação do inferno, a corar de vergonha por ver um descendente ajudando na desmoralização da República. continuar lendo